8 de março de horror para as mulheres brasileiras

Por Clarissa Carvalho*Clarissa Carvalho é feminista, bissexual, antropóloga e do metal!

Um dos 8 de março mais violentos e de ódio às mulheres foi esse de 2009. Passamos a semana do Dia Internacional da Mulher horrorizadas/os com a explosão da história da menina de 9 anos estuprada pelo padrasto e excomungada pela Igreja, e com as várias outras histórias que pipocaram em seguida sobre meninas que sofrem violência sexual no âmbito doméstico. Uma semana depois estamos sendo assombradas pela instauração da “CPI do aborto”; a votação do PL 1.763/2007 que prevê o pagamento de um salário mínimo para a vítima de estupro que abdicar do seu direito ao aborto legal até que a/o filha/o complete 18 anos, o que chamamos de “Bolsa Estupro”; Entra em pauta o PL 831/2007 que dispõe sobre a exigência dos hospitais públicos implantarem programas de orientação sobre os método e efeitos do aborto, quando este for ser realizado, o que pode ser entendido como tentar “assustar” mulheres antes de realizarem um aborto legal; e o PL 2.504/2007 que obriga o cadastramento de gestantes, nas unidades de saúde como forma de controle dessas gestações.

Há anos, talvez décadas, não se via um 8 de março de tanto ódio às mulheres. Parece que toda a luta empenhada por mulheres de diversas culturas em diversos tempos e todas as conquistas conseqüentes e as iminentes enfrentam um grande “freio” nesse momento. Uma resistência, uma intolerância a cada passo que as mulheres dão no sentido da equidade de fato e principalmente pela autonomia dos seus corpos.

Violência foi o ato cometido pelo arcebispo de Recife D. José ao excomungar menina de 9 anos que, tendo sido estuprada durante 3 anos pelo padrasto, engravidou de gêmeos e correndo risco de vida foi levada pela mãe ao serviço público seguro e legal de aborto. Violência atrás de violência foi o que essa menina sofreu. “Revitimização” chamamos quando alguém vitimizada busca apoio e recebe mais violência. O aborto, que era seu direito e condição para a sua vida – pois com sua anatomia ela correria risco de vida se levasse em frente uma gestação de gêmeos – chamou mais a atenção do que a violência sexual que sofreu durante anos. Não apenas ela, mas também sua irmã de 15 anos de idade. Imagine uma criança de 6 anos sofrendo violência sexual diariamente até chegar aos 9 e ser levada pela mãe para o hospital pensando que a barriga crescendo é verminose. Por que uma notícia dessas não causa tanto furor? Por que uma violência desse porte é tão banal, quase legítima nesse país? Por que a prática do aborto causa tanta polêmica e o estupro não? Por que a atenção apenas na menina de 9 anos e não na sua irmã, na menina de 11 anos do Goiás, a do Rio Grande do Sul e tantas outras meninas e meninos também violentados?

Porque estamos num país que parece odiar as suas mulheres. Vimos uma igreja, que ao invés de promover a paz entre sua/seus fiéis, promove a violência contra as mulheres. Ao invés de envolver e proteger uma criança traumatizada, violentada, vítima, ignora seu sofrimento, humilha ela, seus pais e os médicos que salvaram sua vida diante de sua comunidade, tratando-os como criminosos. As excomunhões vomitadas pelo arcebispo foram um ótimo exemplo para podermos responder aquela velha pergunta: “Para que serve o 8 de março mesmo?” ou então: “Por que tem dia das mulheres e não dos homens?”

Fatos como esse respondem as perguntas acima: Nosso dia é pra lembrar que em vários aspectos da vida social não somos consideradas seres humanos. Porque nos outros dias do ano sofremos abuso sexual, violência psicológica e física desde que somos crianças e ninguém fala nada. Quando conseguimos denunciar esses crimes, as penas são mais baixas do que outros crimes que não envolvem a vida das pessoas. Porque mesmo quando somos vítimas, o discurso é invertido e nos tornamos criminosas, como a menina de 9 anos. Porque além de sermos ensinadas a ser necessariamente mães, frágeis, dóceis, complacentes e submissas, quando somos violentadas e acessamos o que é nosso direito, somos humilhadas e temos que nos sentir culpadas. Culpadas por procurar os serviços de aborto legal quando violentadas; culpadas por exigir justiça quando vítimas de um crime; culpadas por usar saia curta no calor e acharem que isso “provoca” estupros; culpadas por ter acesso a um cargo de poder anteriormente ocupado por um homem na empresa; culpadas por não querer ter filhos; ou culpadas por querer ter filhos, mas às vezes priorizar o trabalho e contar com a ajuda de outra pessoa; culpadas por falar mais alto em uma mesa de bar; culpadas por passar do peso esperado; culpadas por não querer transar com o marido depois de um dia difícil; culpadas por sentir desejo por mulheres e não por homens; culpadas por ter esquecido de levar a camisinha pra hora H; culpadas por decidir se e quando queremos transar e engravidar; culpadas por abortar; culpadas por, mesmo sem a oportunidade de estudo, termos ido trabalhar como domésticas, um trabalho desvalorizado na sociedade; culpadas por sermos negras, pobres, índias, trabalhadoras rurais; culpadas por nos tratarem apenas como corpos e não como sujeitos; culpadas simplesmente por sermos mulheres. É por isso que existe o 8 de março. Para lembrar que desde que nascemos vivemos na desigualdade e na violência, e há muito cansamos disso. O ato do arcebispo foi criticado pelo mundo inteiro, mas gostaríamos de lembrar nesse 8 de março de 2009, que diariamente sofremos violência de diversas formas e nada se fala.

Ao mesmo tempo em que houve solidariedade de diversas partes com a menina de Pernambuco, uma semana depois estão sendo pautados e votados três projetos de lei no Congresso Nacional que buscam coibir um direto básico das mulheres, que é a autonomia pelo próprio corpo. Quando nos perguntam “o que mais que as mulheres querem?”, lembramos que nem sobre os nossos próprios corpos temos domínio e poder de decisão ainda. Na semana da mulher foi publicada a pesquisa econômica realizada por uma entidade internacional de sindicatos, e no Brasil, vergonhosamente, as mulheres ganham 34% menos que os homens, mesmo tendo escolaridade igual ou superior e sendo 48% da população economicamente ativa. Na semana da mulher, apenas 11% do legislativo são mulheres. Na Câmara Legislativa do Distrito Federal temos apenas três deputadas ativas, sendo que apenas uma apóia e corre atrás das demandas das mulheres lésbicas e bissexuais.

Estamos no século XXI, e em pleno 8 de março sofremos violência de todos os lados. Se houvesse uma alternativa, um mundo paralelo que amasse e respeitasse suas mulheres como sujeitos de si e não como corpos e ventres, eu solicitaria a minha excomunhão desse mundo violento e misógino. Mas como não há, utilizo das poucas oportunidades que tenho de me fazer sujeito que fala, e escrevo esse texto esperando que possa contribuir para que cada dia seja menos “horroroso” para as mulheres de todo o mundo.

—————————————

* Clarissa Carvalho é feminista, mulher bissexual, antropóloga formada pela Universidade de Brasília e integrante da Sapataria – Coletivo de Mulheres Lésbicas e Bissexuais do DF.

Anúncios

The URI to TrackBack this entry is: https://sapatariadf.wordpress.com/2009/03/12/8-de-marco-de-horror-para-as-mulheres-brasileiras/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. OLÁ A TOD@S!!

    GOSTARIA DE SABER SE VCS PENSAM EM ALGUMA FORMA, SEJA NA POLÍTICA, SEJA ATRAVÉS DE DEBATES, DE IMPEDIR QUE OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO (TELEVISÃO, JORNAIS, REVISTAS, INTERNET E ETC) ATÉ MESMO A PRÓRPIA ESCOLA (GRANDE CONTRIBUIDORA PARA INSERÇÃO DO LUGAR SOCIAL DE SUBJUGAÇÃO DAS MULHERES) SEJAM DIFUSORAS DA VIOLÊNCIA SIMBÓLICA E CONSEQUENTEMENTE FÍSICA DAS MULHERES POIS ESSES SÃO GRANDES APARELHOS IDEOLÓGICOS DO MERCADO, DO ESTADO E DA RELIGIÃO MACHISTA E PATRIARCAL.
    OUTRA QUESTÃO É SOBRE O TOPLESS (NÃO GOSTO MUITO DESSA PALAVRA) MAS FOI A UTILIZADA PARA DENOMINAR A ATITUDE. PODERIAMOS ATÉ PENSAR OUTRAS FORMAS DE DENOMINÁ-LA.
    VCS DISCUTEM ENTRE O MOVIMENTO JOVEM FEMINISTA OU COM AS SECRETARIAS ESPECIAIS PARA AS MULHERES, SOBRE A DISCRIMINALIZAÇÃO DESSE ATO? AFINAL, NÃO PODERÍAMOS CHAMAR NEM DE ATO, POIS PRECISAMOS NATURALIZÁ-LO ASSIM COMO O É NATURAL AOS HOMENS. É UM ABSURDO AS MULHERES MORREREM DE CALOR E QUANDO TIRAM A BLUSA VIR TODA A MORAL CRISTÃ, DAS LEIS DO ESTADO MACHISTA E SEXISTA E DA CULTURA MISÓGINA VIR CONDENÁ-LAS.
    SEI QUE É UMA QUESTÃO MUITO DIFÍCIL DE SE PENSAR, AFINAL, JÁ NOS MERGULHARAM DESDE A NOSSA EDUCAÇÃO NESSA VISÃO ANDROCENTRICA DE QUE O NOSSO CORPO PERTENCE (PROPRIEDADE) AOS HOMENS, AO ESTADO, À RELIGIÃO, AO MERCADO, ETC. MENTIRA!!!!!!!!! O NOSSO CORPO PERTENCE A NÓS MESMAS!!! E SOMENTE NÓS MESMAS PODEMOS DECIDIR O QUE FAZER COM ELE!!!

    SOU ADEPTA DA AÇÃO DE FICAR COM OS SEIOS DE FORA EM LUGARES PÚBLICOS E SEI DE TODOS OS RISCOS QUE CORRO POR ESSE ATO.
    INFELIZMENTE AS NOSSAS LEIS PATRIARCAIS, A NOSSA MORAL CRISTÃ, A INTROJEÇÃO EDUCACIONAL DO MACHISMO, SEXISMO E MISOGINIA, DAS CULPAS IMPOSTAS PELA RELIGIÃO, DA ASSIMILAÇÃO DO CORPO APENAS COMO OBJETO DE DESEJO (PRINCIPALMENTE PARA HOMENS) NOS IMPEDE DE ENXERGAR QUE O, CORPO QUE POSSUIMOS NOS PERTENCE. E INFELIZMENTE ALGUMAS MULHERES CONTRIBUEM PARA ESSAS VISÕES POR NÃO ESTAREM INSTRUMENTALIZADAS DE UMA CONSCIENTIZAÇÃO.
    JÁ ESTÁ NA HORA DE DIZERMOS NÃO A ESSA EDUCAÇÃO ANDROCENTRICA!!! PELA DISCRIMINALIZAÇÃO DO “TOPLESS” E PELA REALIZAÇÃO DE MAIS ADEPTAS PARA TAL ATO!!!
    GOSTARIA DE FAZER PARTE DAS DISCUSSÕES PARA DEBATER ESSAS E OUTRAS QUESTÕES, COMO FAÇO?
    ABRAÇOS

  2. Parabéns pelo artigo Clarissa!!

    Abraço

    Como posso participar? Sou de São Paulo


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: