375 dias depois: novas mãos, sonhos antigos…

Iéah!!no dia 25 de julho de 2008, a sapataria df lançou este blog. não foi a primeira experiência, mas foi a que deu mais certo. a inauguração desse nosso espaço virtual aconteceu com um texto escrito por Eliane Pereira, Jacira da Silva e Joelma Cezário, sobre a comemoração em luta do dia das Mulheres Afro-Latinoamericanas e Afro-Caribenhas.

desde lá muita coisa aconteceu, e depois da mudança de endereço pra , de entradas e saídas de militantes e muita política micro e macro, temos registrado um número grande de visitas e comentários às várias postagens feitas todos os dias. até hoje tivemos 35.902 visitas aos 458 artigos publicados (contando com este) e 178 comentários aprovados. no primeiro mês tivemos a média de 2 visitas ao blog por dia, e em junho passado tivemos a média de 176 visitas diárias, e são as suas visitas que nos incentivam a fazer esse espaço sempre atento, diverso e democrático.

sapat8sapat10sapat9

surgindo da idéia de construir um espaço virtual para divulgar as atividades do coletivo e também notícias midiáticas, funcionando como um observatório de políticas públicas e ações/intervenções formais ou informais voltadas à lesbiandade e à bissexualidade desde uma perspectiva feminista e anti-racista, o blog da sapataria é mais uma ferramenta pra promover a visibilidade das vidas, mobilizações e sonhos de mulheres lésbicas ou bissexuais, organizadas ou não, em espaços autônomos ou institucionais.sapat7

sapat5

sapat6

essa pequena nota de comemoração é pra não deixar o nosso “aniversário” passar em branco, e pra fazer passar em todas as cores do arco-íris a memória de nosso trajeto. vida longa, de luta sorridente e muitos orgasmos a todas que construímos isso coletivamente, essa história é nossa!”

Anúncios

Corpo, Identidade e Poder. Participe!

Clique para ver ampliado

Lésbicas e o meio ambiente

vem pra conversa!

A Sapataria – coletivo de mulheres lésbicas e bissexuais do Distrito Federal convida você para a roda de conversa:

Mulheres e o Meio Ambiente: e nós com isso?

15h – A bióloga Sandra Michelli relaciona ambientalismo e Teoria Queer e a historiadora Juliana Alves Sousa fala sobre Ecofeminismo.

17h- Oficina em verde y vermelho: ecologia interna (menstruação), ecologia externa (deslixo), ecologias combativas (anti-capitalismo) com tate, do fórum de mulheres negras (df) e corpuscrisis. TRAGAM AGULHA Y LINHA

Dia 4 de julho no INESC Venâncio 2.000, Bl. B/50, sala 435

Dia do Meio Ambiente: comemorar o que?

Clique na carta para vê-la maior.

NotaPublica_MeioAmbiente

DIÁLOGO ENTRE FEMINISTAS TRANS Y NO TRANS EN EL XI EFLAC

DIÁLOGO ENTRE FEMINISTAS TRANS Y NO TRANS EN EL MARCO DEL 11 ENCUENTRO FEMINISTA LATINOAMERICANO Y DEL CARIBE TARDE DEL 18 DE MARZO DE 2009
CIUDAD DE MÉXICO

“Todas somos parte del movimiento. Yo, te reconozco mi compañera”

MARINA BERNAL
MULABI, ESPACIO LATINOAMERICANO DE SEXUALIDADES Y DERECHOS

En el exconvento de Regina, en medio de un mar de más de 1500 feministas provenientes de toda la región, este diálogo convocado por Mulabi, inició evocando otras experiencias de diálogos. Encuentros entre generaciones, entre mujeres feministas y mujeres indígenas, sucedidos en México años atrás, diálogos que invitan a emular una disposición a conocer y reconocer en “las otras”, una posibilidad de hacernos preguntas sobre “nos-otras” mismas. Alrededor de 100 mujeres feministas trans y no trans de diferentes países de América latina nos congregamos en este espacio de diálogo enmarcado por un acuerdo de respeto y escucha. Pensado como un espacio para preguntar, dudar, aprender, escuchar, cuestionarse y transformar-se. Un espacio para explorar en que podemos beneficiarnos al trabajar juntas y cuáles, si existen, son las distancias que preferiríamos o necesitaríamos mantener.

Se abre la sesión con una presentación colectiva, caminando, circulando unas entre otras, saludándose, mirándose, reconociéndose, nombrándose (¿cómo te llamas? y ¿cómo te identificas?), mezclándose. Y este grupo, que al inicio parecía separado en dos, ahora conforma un círculo grueso que se amplía conforme más feministas se suman. Para algunas, es la primera vez que participan de un Encuentro Feminista, para otras se trata de la primera vez que tienen la oportunidad de hablar, escuchar y estrechar la mano de una mujer trans feminista.

Cuántas preguntas, cuántas dudas, cuántas curiosidades circulan entre unas y otras.

Después se abre una pregunta: ¿Porqué se consideran feministas? ¿De que manera el feminismo nos ha construido como mujeres y como feministas tanto a las feministas trans como a las no trans?

Surge enseguida otra pregunta: ¿Qué nos cruza y que afinidades tenemos?

Una feminista no trans responde a esto, que no ve las afinidades y que, más aún, ve muchas diferencias en muchos casos insalvables. Una feminista trans responde a esto que las mujeres trans han sido consideradas siempre un objeto sexual: “No somos consideradas seres humanos, ni ciudadanas, somos otra cosa…”

Surge otro comentario, planteando que resulta difícil comprender desde afuera ¿Por qué las mujeres trans quieren ser trans en un contexto tan negativo?. Ciertamente, continúa esta feminista no trans, “es difícil entender porque en un país (como México) donde las tratan mal, donde las consideran o prostitutas o peluqueras, teniendo todos los derechos humanos negados, incluido el derecho a la salud… ¿porqué esa necedad?

¿Pero que necesidad?”

Una feminista no trans, responde: Porque es una elección. Las mujeres trans, afirma, son mujeres, porque el cuerpo no es un destino, “porque podemos pensar otros cuerpos, otros géneros, porque ser mujer no es tener una vagina. Porque pararse frente a la ciencia médica y retarla, no es fácil…” Desde ahí convoca a celebrar las nuevas subjetividades.

Una compañera trans apunta al respecto aclarando que en Brasil ellas no se identifican como trans, sino como mujeres, aún cuando en algunos casos tengan un falo, y es desde esa identidad e identificándose de esa manera como se sienten confortables.

También eligen sus espacios de lucha, han decidido que no quieren luchar al lado de los hombres porque entre ellos se han sentido muy agredidas y estigmatizadas. Han elegido sus alianzas y ahora son reconocidas en la política de salud como mujeres. En el caso de ellas por ejemplo el tema de las cirugías, es tan solo un tema más a desestigmatizar en cuanto a toda la serie de valores estereotipados asociados a las mujeres. Ellas tienen que hacer un trabajo al interior de la comunidad de mujeres trans para trabajar entre algunas de la compañeras los valores de mujeres tradicionales que a veces se enarbolan.

Una compañera no trans manifiesta que está descubriendo el sentido revolucionario que significa ser trans pues resulta absurda esta necesidad de etiquetar a las personas a partir de sus cuerpos.

Otra más, manifiesta que ella define su identidad como autónoma revolucionaria y que se reconoce como mujer. Pregunta: ¿Por qué tengo que adoptar una terminología “cientista”? Una mujer trans responde “Yo no estoy acá para reivindicar demandas personales sino como parte de una comunidad internacional de mujeres. Ser mujer y ser feminista, es un estado de conciencia revolucionaria”.

Otra más habla desde su identidad de mujer trans. Dice que las mujeres trans son mujeres que han hecho, no un cambio de género sino un cambio de cuerpo.

Una lesbiana feminista no trans responde “las lesbianas, según Wittig, no somos mujeres y yo cada vez más estoy más de acuerdo con esto. Deconstruimos a partir de lo que somos. La experiencia de travestirme y la forma de relacionarme, de mirar mi propio cuerpo me ha cuestionado respecto a que signfica ser mujer, y ahora creo que no quiero serlo más”.

Los puntos de encuentro entre la transexualidad y el feminismo

Una feminista no trans considera que el feminismo nos ha permitido encontrar respuesta a esta pregunta porque lo que hemos hecho desde el feminismo es deconstruir la categoría de mujer. Para una feminista no trans de Nicaragua la lucha de las compañeras feministas trans al interior del feminismo, se asemeja a la lucha que dieron también las lesbianas, las negras y las indígenas: todos los días resistiendo y ampliando lo que se considera ser mujer y a la vez ampliando los márgenes del feminismo. Resalta que “estamos en el 11avo. Encuentro Feminista todas juntas con el objetivo común de transformar el mundo patriarcal que nos oprime a todas”.

Una feminista no trans, que no está de acuerdo con la participación de las compañeras trans en el encuentro, coloca sobre la mesa su dificultad para entender algunas cosas que considera impedimentos para poder ser “mas eficaz” como feminista. El cuerpo – dice ella- hace diferencias- y la construcción sexual nos distingue, por ello afirma, es central mirar el cuerpo y el papel que este juega en la definición y división que el patriarcado hace y que hace, reitera, a partir del cuerpo, querámoslo o no. Por ello, ella defiende la importancia de reconocer esas diferencias, pero, como feminista que reivindica el derecho de toda persona a vivir la opción sexual y corporal que cada cual quiera tener, prefiere clarificar que lo que les vincula a las feministas y las trans es la solidaridad con las causas, pero existen problemas específicos de cada cual a partir de la definición que el patriarcado ha hecho de su identidad. Así, afirma, “me solidarizo con las trans, pero no soy trans, ni comparto sus problemas”.

Revisando los esencialismos en el feminismo

Este comentario lleva el diálogo a revisar lo que las participantes llamaron “las posturas esencialistas en el feminismo”. Una feminista no trans afirma que la violencia de género nos atraviesa a todas y que la sexualidad y los genes, también son construcciones sociales.

Una feminista lesbiana no trans de Guatemala, manifiesta la importancia que este espacio de diálogo tiene para ella, es una oportunidad de poder escuchar a las otras pero además le ha permitido conocer mujeres trans feministas. Dice: “Vengo a mi primer encuentro feminista, y he podido escuchar los fundamentos del feminismo pero también expresiones de los feminismos fundamentalistas” ella quiere extender a las compañeras feministas trans el lema de su organización: “Todas somos parte del movimiento, yo, te reconozco como mi compañera”.
Sobre el mismo tema, una feminista trans manifiesta que las feministas trans, no esperan solidaridad, lo que les interesa es aportar al feminismo y poder ejercer sus derechos como mujeres y como feministas.
Una mujer joven feminista no trans manifiesta su afinidad a esta idea, y expresa cómo se construyó como feminista, cómo el feminismo le permitió mirarse a si misma como mujer y acorde con ello, considera que las mujeres trans feministas deben estar presentes en el encuentro por identificarse como feministas, y no deberían se cuestionadas acerca de su biología.

Frente a estas manifestaciones de apoyo, una feminista no trans expresa sus temores: ” Creo que las mujeres estamos cediendo los espacios que nos habíamos ganado. Yo no estoy de acuerdo que por ejemplo, hombres feministas participen de nuestros espacios, del mismo modo me parece que las trans deben hacer su propia lucha.” Su lucha, reitera, “nos convoca pero desde otro espacio, no desde los nuestros”.

Una compañera trans de Brasil destaca frente a esta postura que el sistema patriarcal Brasileño conmina a las personas a posicionarse como hombres o como mujeres. Entonces cuando ellas dicen que son mujeres, las cuestionan sobre si ¿es posible hablar de mujeres que tiene falo? Y no solo a nivel simbólico. Ellas a su vez cuestionan si el tener un falo hace automáticamente a una mujer ser machista. Invitan a reflexionar y distinguir, que las mujeres trans no son gays y tampoco son hombres. Y que ellas, son mujeres que viven como feministas y que además vivencian lo femenino.

Una compañera feminista no trans invita a la reflexión sobre el tema de las identidades: “Quién puede ser considerada mujer y quien feminista? ¿cómo somos las mujeres? ¿Qué significa la diferencia sexual y corporal? ¿Cómo nos construimos mujeres cuando nuestro cuerpo sexuado ha sido tan distinto en nuestras historias? ¿Qué nos significa las presencia corporal de otras mujeres con otras huellas corporales?

Ella plantea que la diversidad es enriquecedora pero difícil de gestionar. La construcción genérica y política es distinta. El feminismo se ha construido a partir de la identidad de mujer como núcleo duro y esto, que se está rompiendo ahora, genera mucho miedo.

Resoluciones

El diálogo se acerca a su fin y las presentes manifiestan que son necesarias la transgresión y la rebeldía dentro del movimiento: pero para abrirnos a lo diferente, a lo que nos cuestiona y nos conmueve. Preguntarnos desde el feminismo si es requisito indispensable, tener una vagina, para ser mujer.

Una feminista no trans del Salvador coloca algunos puntos para continuar avanzando en esta reflexión que éste diálogo permitió: “Es necesario -sentencia-, afirmar el respeto al cambio en el interior de nuestro movimiento, poder abrirnos a lo nuevo, conocer a estas compañeras nuevas y permitirnos romper el hielo, vernos como humanas, con necesidades y problemáticas afines y otras específicas”.

Una joven feminista no trans, de Uruguay deplora los comentarios negativos y descalificadores que ha escuchado que se han hecho en voz baja mientras el diálogo se desarrollaba. Este tipo de actitudes y comentarios, afirma, no hacen bien al movimiento. Se pregunta un poco triste e indignada: “¿Quién puede decir quienes son las verdaderas feministas? Ese tema del tren que nosotras empezamos y al que se quieren “montar” las trans,” -dice ella-, me parece una expresión profundamente egoísta. ¿Quiénes somos nosotras para otorgar un derecho de entrada y salida de este tren, de limitar que otras mujeres gocen de los logros que hemos construido entre todas? ¿quién, sentencia, puede definir quien puede entrar o no al movimiento?

El diálogo termina. Hay sonrisas, agradecimientos, caras que reflejan interrogaciones, asombro, en algunos casos molestia, muchas se van pensativas. El diálogo dicen, apenas empieza.

calendária feminista versus a imprevisibilidade dos dias

por Tate em Cotidiana

25 Janeiro 2009 as 1:58 am

 

querida diária, “aqui estou, mais um dia, sob o olhar sanguinário do vigia.” essa frase tá na minha cabeça há dias, querendo ser escrita. tentando ser conectada com minha vontade de fazer mais um capítulo desse caderno, essa vez conversando sobre uma calendária feminista. já que começou 2009 – contagem feita pelo calendário gregoriano, cristão, que aceitei meio por solidariedade a muitas pessoas amadas ao meu redor (pra não falar das burocracias que acabam colocando nossa vida em seus labirintos…) –, já que essa coluna é sobre feminismos, pensei que podia ser massa esboçar uma calendária feminista. dando um rolé pelas datas que algumas/uns coletivos e organizações tão planejando, pensando a calendária do confabulando, tentando desenterrar um gás pro ‘ano novo’, e também servindo como recurso de organização dessa diária, como uma rede temática que inspirasse alguns escritos por aqui. então veio 2009 com suas promessas novas tentando vencer aquelas do ano anterior, quebradas ou fracassadas ou decepcionadas. 2008 foi um ano particularmente denso pra mim – muito aprendizado, muito auto-conhecimento, muita partilha, mas muita muita tristeza, muita perda, muitas lágrimas. mas além de querer que 2008 terminasse logo, eu não tinha grandes expectativas pra 2009. nem com a mudança, nem com o final do curso, nem com a oferta de um trampo fera, nem com a retomada das atividades do fórum. fiquei achando que aquele verso de “do fundo do nosso quintal”, que diz “pra quem não desencantou”, não era mais meu y da bornú – era só dela, agora, porque tenho me sentido completamente desencantada. ok, algumas coisas me fizeram pensar muito, como a posse de barack obama nos u$a*, ou o xou dos racionais marcado pra 17 de janeiro. mas pensamento sem movimento… fiquei dias torcendo pro dia 17 chegar logo, que nem as crianças ricas ficam esperando o natal. mas quando chegou eu y ellen tínhamos marcado nossos chás de casa nova, justamente no mesmo final de semana. porque eu achava que ia começar no tal maravilhoso trampo novo (auxiliar de cozinha num restaurante vegetariano) no dia 19, então tava com pressa pra receber as amigas na casa “nova”. não vou mentir que foi dureza escolher entre ficar na festa até o final ou sair na tora, no meio, pra ir nos racionais. mas fiquei em casa. minha mãe tava aqui, várias amigas queridas também… ficamos. teve pagode feminista, comidinhas veganas, sorvete, muitos presentes, afetos, trocas… foi ótimo. me senti num aniversário de 08 anos de idade, nessa mesma casa, quando minha irmã ia fazer 05 e minha mãe, minha tia y meu pai faziam uma festa só pras duas (15 dias de diferença entre o aniversário de uma y de outra). até acontecer o chato. eu tava no quarto “yoko ono” tardão já, improvisando uma cortina com um retalho lilás que comprei em salvador, patches de bandas que não ouço mais com tanta freqüência – crass, disrupt, doom… –, alfinetes tirados de um projeto-de-saia-pra-uma-amiga (minha máquina de costura ainda não veio pra cá), um pedaço de fita plástica imitando laço de cetim, cor: amarela. chega uma de minhas amigas com uma cara péssima. ela, uma pretinha fodida de periferia. a outra, uma branquinha classe média. ela, comunista, sapatão, feminista. a outra com seus clichês agressivos ambulantes: “meu povo tem as coisas porque trabalhou pra isso! o que mais as pessoas negras querem com essas cotas? vocês já conseguiram tudo que queriam!”. eu não tava na sala nessa conversa. nem queria estar. essa casa aqui é uma casa de duas feministas negras, lesbianas. não quero ouvir isso na casa em que moro. não acho que tô, nesse exato momento de minha vida, com alguma capacidade de ter que ter uma conversa tão pesada na casa nova pra onde me mudei pra me afastar de um monte de mágoa, intranqüilidade, neurose, monotema – mesmo sabendo que, apesar de cansar muito, a militância não tem férias… mas gente! era inauguração da casinha nova! 3 horas da manhã! só não me arrependi de ter perdido os racionais porque minha mãe tinha vindo. tinha ficado até tardão com a gente. tinha me ajudado as duas semanas anteriores com a mudança, com coisinhas reutilizadas pra casa – emprestou rodo, vassoura, cabide, trouxe mil caixas, carregou coisa comigo, foi em loja de material de construção me ajudar a comprar coisas… ela é sensacional. mas mesmo assim, até pra ela ia sobrar. porque no dia seguinte, de manhã, minha parceira de casa nova foi acordada com duas vizinhas conversando entre os portões. coisas como “não vou admitir esse tipo de comportamento”, “vou chamar a polícia”, “vou falar com a mãe dela”… a casa não é minha só porque moro nela, mas porque sou legalmente a dona da casa. então, falar com minha mãe nem ia resolver – só tentar me infantilizar. quanto ao comentário da não-admissão, relacionei à bandeira do arco-íris que deixamos pendurada no portão – a mesma vizinhança homofóbica de quando saí daqui, com uns 20 anos. o que me irritou particularmente foi o “vou chamar a polícia”. mais um indício de que no brasil há esse vício em instituições repressoras como única possibilidade de resolução de conflitos, como autoridade de intercessão nas relações entre pessoas… porque no brasil questão racial virou caso de polícia. transporte público virou caso de polícia. tudo é caso de polícia? que tipo de herança ditatorial é essa da qual não conseguimos (ou não queremos) nos livrar? é uma herança-prognóstico? mais um signo de que um sistema que se pensa democrático a partir de delegação de interesses coletivos a instâncias supostamente representativas formadas por cúpulas se afunda na inviabilidade, refletida em ou fundante de nossa incapacidade de gerenciar nossa vida por nós mesmxs? é outra evidência de que nosso modelo de democracia é essencialmente fascistóide, porque nunca abriu mão dos sistemas de repressão y punição primeiramente tidos como método de consolidação de si (pela imposição do medo ao terror se justifica o terrorismo de estado) mas depois, freqüentemente, como ferramenta sempre a mão (pela mera sugestão da ameaça, às vezes realizada, o controle é exercido)? as ferramentas de um poder que é uniforme, mas distribuído em categorias de desamor, racismo, sexismo y lesbofobia, viadofobia, transfobia, gordofobia, classismo, especismo, degradação ambiental, mental, espiritual y íntima – pra colocar algumas – funcionam muito didaticamente. doutrinam por escolas. a novela ensina como sermos românticas, monogâmicas, rivais de outras mulheres. a escola ensina quais conhecimentos são bons y quais não são. a polícia ensina quem deve transitar em que lugar, a que horas, como, com que roupa, com que pele. a igreja ensina que tipo de relação estabelecer com um único sobrenatural legitimado. o estado ensina como não podemos aprender a nos organizar por nós mesmxs. tradições fundamentadas em mitos sem lastro nos ensinam quem matar pra comer, nos convencem de que aquelas pessoas assassinadas ou torturadas não são pessoas, porque são animais, y só animais humanos é que são pessoas não-passíveis de virar comida. são muitas escolas. mas não é surpreendente que mais meninas saibam conjugar o verbo haver no pretérito mais-que-perfeito do que se masturbar, gozar, porque há várias escolas de gramática contra nenhuma de educação sexual pra mulheres. não surpreende que homens brancos saibam mais sobre nossas vaginas do que nós mesmas. não surpreende a surpresa de minha vizinha ao ver que a nova vizinha antiga virou sapatão, só tem amiga sapatão, e elas cantam, dançam, se beijam até de madrugada (o que não é muito surpreendente em festas…). não culpo a vizinha porque culpa é um sentimento formatado pelo cristianismo, mas a responsabilizo por ter feito escolhas que excluem, condenam ou não compreendem as escolhas das outras pessoas. como também me responsabilizo por exclusões do tipo dar uma festa sem chamar nenhuma das vizinhas, além de um casal lesbiano que mora na rua. de qualquer forma, era uma abertura-de-casa pra pessoas amadas, amigas. eu não amo a vizinha, nem sou amiga dela. ia ser massa se tivéssemos uma convivência mais transparente y direta, em que as conversas se estabelecessem por meio de diálogos ao invés de portões, e em que os pedidos de “você pode diminuir o barulho?” fossem feitos sem ameaça de polícia. acho que isso tem a ver com outra daquelas escolas, a do desamor. ou desafeto, se amor tem uma carga muito romântica: a escola que ensina o afeto máximo pelo terror, pela intervenção de instituições, ao mesmo tempo em que ensina o terror pelo afeto. tenhamos medo de amor, de afeto, de carinho, da dádiva. porque é mais fácil ter medo, que depois vai servir de justificativa pra uma decepção quase aguardada: “eu não falei que ela não prestava? eu já sabia. por isso eu nunca consegui confiar nela de verdade”. é bizarro como polícia possa ser tão facilmente relacionada a afeto? acho mais bizarro como vivemos em um pedaço de mundo que consegue separar tão facilmente todas as coisas, compartimentalizando, classificando, categorizando, dissecando. outro vício do pensamento iluminista ocidental: positivismo em todas as práticas, cientificismo como estrutura de análise, rigor asceta como filtro de legitimidade, cartesianismo como sistema de inteligibilidade compreensão (acho ainda mais bizarro que essas coisas estejam todas tão entranhadas na gente que até pra escrever mal delas eu não consiga me libertar de uma forma de escrita que é completamente mergulhada nelas! vou parar de escrever? vou escrever só poemas? vou fazer música, pintar, gritar, espernear, chorar, ou só ficar sorrindo rindo mesmo dando muitas gargalhadas até… cansar? vou deitar pra dormir, sonhar y pensar em nunca mais acordar?) querida diária, sei que esse texto tá louco. sei que fiz uma proposta de escrever uma calendária e acabei fugindo dela. mas sei também que a imprevisibilidade do texto tem a ver com a própria imprevisibilidade da rotina que tento relatar aqui. como estou suficientemente convencida de que cotidiano é uma questão feminista, posso tentar dividir esse convencimento com quem tá lendo isso aqui. mas se não der certo não tem problema nenhum, porque uma diária pode ser válvula de escape, uma tentativa solitária de romper a solidão da escrita, uma tentativa minha de conexão – comigo mesma, com meus desejos, mas também com quem vai ler essas palavras. não tem que ser um tratado dialético linear. porque tenho sentido a vida acontecer em processos, não em hipótese-antítese-síntese. não quero! como ninguém além de mim esperava a calendária feminista, então ela fica pra próxima: já que o ano gregoriano acabou de começar, mesmo pra mim sendo janeiro mais um prelúdio. começar, mesmo, começa em fevereiro. dia 07. o começo do meu retorno de saturno. não sei porra nenhuma de astrologia, mas um planeta que tem bambolês y luas só pode ser especial. como a lua negra do céu que tenho no peito é. esse capítulo confuso, torto, esquisito, reclamão, tem a ver com minha preta. o desafeto dela. a evasão linear. o medo do amor. mas sempre ela, que tava comigo quando abri meus olhos pro céu. é pra ela y pra mim qu

e termino com Andrea Canaan: “EU PROCLAMO: uma guerreira, uma sereia, uma mulher que finalmente se ergue com firmeza, uma mulher que toca seu íntimo e as estrelas no céu. Sou uma mulher que já não é uma criança, uma mulher que se torna inteira e sã. Está feito. Então deixe acontecer.” — * uma pequena homenagem à pouco saudosa cena hardcore do df. especialmente pela Lice, pelo silente, pelo carnissa, pelo barulho, por estarmos juntas.

AGENDE seleciona assessor@ técnic@

Assessora/or Técnica/o – Brasília (DF)

Ações em Gênero Cidadania e Desenvolvimento

16dias1A Ações em Gênero Cidadania e Desenvolvimento (AGENDE), organização feminista da sociedade civil, sem fins lucrativos, torna público a abertura de Edital para Seleção de Assessora/or Técnica/o para atuar na área de violência contra as mulheres e direitos humanos, em especial nos projetos” Acompanhamento e Consolidação da Política Nacional de Combate à Violência contra as Mulheres”, “Campanha 16 Dias de Ativismo pelo fim da violência contra as mulheres – 2009” e “Curso de Promotoras Legais Populares. Trabalho” em tempo integral na sua sede, em Brasília – DF, em regime de prestação de serviço.

Perfil Profissional – As/os profissionais deverão apresentar os seguintes requisitos e neles comprovar ou demonstrar competência:

– Experiência de trabalho na área de direitos humanos, em especial dos direitos das mulheres, com conhecimento específico em políticas públicas, na área de violência contra as mulheres.

– Experiência de trabalho em organização feminista.

– Disponibilidade para contratação imediata.

– Formação Superior.

– Fluência escrita e oral na língua portuguesa.

– Experiência em ações de articulação e negociação institucional.

– Capacidade e disponibilidade para participar de seminários, debates,entrevistas para rádios e TVs (inclusive noturnos e finais de semana).

– Conhecimento nas áreas de gênero e políticas públicas; feminismo edireitos humanos. Experiência em elaboração de textos, projetos e relatórios.

– Bom relacionamento interpessoal, capacidade de trabalho em equipe.

– Disponibilidade para participar do curso de Promotoras Legais Populares (aos sábados pela manhã) e das reuniões da coordenação do curso.

– Disponibilidade para viagens, inclusive de duração de mais de uma semana e finais de semana.

– Experiência na organização de cursos, seminários e conferências,capacidade de planejar, tomar decisões e priorizar ações.

– Experiência em administração de Projetos.

– Experiência de trabalho em ONG, formação em direito, domínio do espanhol e/ou inglês falado e escrito são requisitos preferenciais no processo de seleção.

Remuneração: Compatível com o perfil profissional e com as funções exigidas.

Os currículos deverão ser enviados para agende@agende.org.br, acompanhados de carta de apresentação, de, no máximo, uma (01) página, justificando a candidatura ao cargo e o interesse de trabalhar em uma organização feminista da sociedade civil, informando a pretensão salarial.

Enviar até o dia 06/02/2009 e no campo “assunto” escrever: “CV – Assessora/or Técnica/o – Seleção edital 02/2009.

Enquanto isso em Brasília… ENCONTRO DE JACAROAS!!!

depois de um animadíssimo sarau com bolachas, e sentindo nossas baterias recarregadas graças as várias energias super bacanas trocadas, às gargalhadas, às poesias, às declarações e músicas e tantas outras coisas que ocorreram…, declaramos que será um prazer e honra recebê-las novamente para um bate-papo sobre ‘”feminismos'”…, o tema parece complexo mas em verdade não é… acreditar e trabalhar para que as mulheres de uma forma geral tenham a possibilidade de uma vida livre de opressões, é ser feminista, perceber, coibir e denunciar o machismo, sempre será ser feminista vamos então papear sobre este tema que para nós não é nada tabu e que se faz necessário dialogar, sempre e enquanto existirmos!
ONdE: QE 28 Conj. “B” casa 13 – cASa rOxA
hOrA: 19H00
dIa: 30/01/09 – (sExTA-fEiRA)

PROMOÇÃO
associação lésbica feminista de brasília – coturno de vênus
tEL.: 61 8187-8929
cx postal 3546 . 700089-970
brasília – df. brasil
www.coturnodevenus.org.br

Uruguai: a amnésia de Tabaré

La amnesia (??) de Tabaré Vázquez y su renuncia al partido socialista

Diana Cordero de Isurrectasypunto
07/12/2008

se_va_tabare_vazquezEl 4 de diciembre se dio a conocer una noticia que sorprendió a todos y todas. En principio podemos decir que la sorpresa inicial fue la renuncia de Tabaré Vázquez como afiliado del partido socialista, integrante de la coalición gobernante. Esto generó un gran impacto debido a la complicada situación que atraviesa Uruguay por el controvertido tema de la candidatura presidencial.

Pero lo que efectivamente causó un profundo estupor en muchísimas personas fue la carta en la cual explica los motivos por los cuales presentó su pedido de desafiliación. En ésta dice “lamentar profundamente” la posición del partido respecto al aborto.

Y aquí entramos en la enrevesada cuestión de la amnesia o ignorancia del presidente uruguayo, afiliado al partido desde el año 1983, partido que “asume el marxismo como método para la comprensión crítica de la realidad y guía para la acción destinada a su transformación”[1]. La posición del partido socialista de Uruguay respecto del tema del aborto es histórica y desde luego previa al ingreso de Tabaré.

Pero como si esto no fuera suficiente y efectivamente la defensa del derecho al aborto hubiera sido incorporado en las últimas décadas en una maniobra de unos o unas trasnochadas socialistas, existe una historia de la defensa del aborto por parte del socialismo que se remonta a los inicios de la revolución soviética de la mano del camarada Lenin, ya que el primer país en legalizar el aborto.

Efectivamente, la Revolución Rusa (reivindicada por el partido socialista del Uruguay) dio pasos importantes en el camino de las conquistas de los derechos de las mujeres.

El socialismo preconizó desde sus inicios que toda lucha que se encare y que no desafíe las bases de la opresión de las mujeres será inútil e infructuosa.

El partido socialista de Uruguay tiene una historia de 70 años en defensa de este derecho. En su declaración de principios queda claro que los hombres y las mujeres que lo integran “comparten el objetivo histórico y asumen el compromiso militante de construir la sociedad socialista, es decir una sociedad sin clases, de personas libres, iguales y solidarias[2]”.

La Carta de Valores Socialistas[3] que rige el partido, aprobada en el 25º Congreso Extraordinario realizado en Montevideo en Mayo del año 2004, establece claramente en su apartado “Valores socialistas en la función pública, la responsabilidad institucional y la organización política”, punto 11º, que “Para los socialistas la democracia es un valor sustantivo e implica respetar la libre expresión y organización política y la aceptación total de la voluntad soberana de la ciudadanía…”. Y ese es un principio vulnerado rudamente por Tabaré Vázquez. El presidente uruguayo antepuso autoritariamente (al menos) sus convicciones personales, desoyendo el clamor de gran parte de la sociedad y de los representantes del pueblo en el congreso nacional, acerca de un tema de tanta trascendencia social como es el aborto. Vulneró con esta decisión los intereses colectivos de un amplio sector de la población uruguaya.

Por eso, son de un tenor rayano en el absurdo y lo imprudente, tanto la declaración por la cual fundamentó su polémico veto así como lo que aduce como motivos para solicitar su desafiliación.

Deberemos pensar que el presidente de Uruguay adolece de un supino desconocimiento de las bases del socialismo histórico y sus correspondientes demandas o que efectivamente ha sido estafado en su buena fe.

Recomendación: Cuando usted se afilie a un partido, lea siempre en forma íntegra las bases fundacionales y la declaración de valores. Y no olvide la letra pequeña ante la cual siempre alertan las múltiples organizaciones de defensa de los y las consumidoras. Puede usted ser estafado como Tabaré Vázquez. Téngalo en cuenta.
[1] Declaración de Principios del Partido Socialista del Uruguayhttp://www3.ps.org.uy/doc_ps/dppios.htm

[2] Id. Citada

[3] Carta de Valores Socialistas de Partido Socialista del Uruguay http://www3.ps.org.uy/doc_cartavaloresyetica.htm

I.M.P.E.R.D.Í.V.E.L. A história das coisas!

Vídeo IMPERDÍVEL sobre “A história das coisas” – de onde vêm, para onde vão?

DESCUBRA AQUI!

[YOUTUBE=http://br.youtube.com/watch?v=lgmTfPzLl4E]